Programa de Engenharia Nuclear da COPPE/UFRJ
Menu
PERFIL DO ALUNO

 

PERFIL DO ALUNO EGRESSO

 

Competências e Habilidades

 Ter cultura científica de forma a poder participar ativamente de discussões sobre problemas com profissionais de outras áreas;
 Comunicar-se bem de forma oral e escrita;
 Saber produzir sínteses numéricas e gráficas de dados;
 Dominar uma língua estrangeira, preferencialmente o inglês, pelo menos no nível da leitura;
 Ter habilidades gerenciais;
 Atuar em pesquisa básica e aplicada nas diferentes áreas da Engenharia Nuclear;
 Estabelecer relações entre ciência, tecnologia e sociedade;
 Comprometer-se com o desenvolvimento profissional constante, assumindo postura de flexibilidade e disponibilidade para mudanças contínuas.

 

Perfil do Aluno Egresso

O aluno egresso, além de sólidos conhecimentos em engenharia e da visão sistêmica de seus problemas, terá desenvolvido o espírito crítico e criativo, que o imbui de uma forte postura ética e humanística cada vez mais necessária em todas as áreas do conhecimento, bem como estará habilitando para a gestão multi e interdisciplinar das atribuições do Engenheiro Nuclear.

O treinamento teórico e prático de alta qualidade na sua formação habilitará o egresso a exercer atividades de liderança técnica nas áreas industrial, governamental e de consultoria, alcançando diretamente, os organismos governamentais, as empresas públicas e privadas, as organizações não governamentais, bem como, de forma geral, profissionais para o exercício autônomo de suas atividades.

Em linhas gerais, o egresso do curso de Engenharia Nuclear da Escola Politécnica da UFRJ deve adquirir durante seu aprendizado, competência técnico-científica para lidar com questões de engenharia que envolvam:

  Poder de síntese e análise de problemas;
  Identificação, formulação e solução de problemas de engenharia;
  Capacidade de planejar, acompanhar e executar projetos;
  Capacidade de buscar as relações de causa e efeito pertinentes à Engenharia Nuclear;
  Capacidade de avaliar as interações entre as ações da engenharia com o ambiente;
  Percepção do controle da utilização dos recursos ambientais;
  Domínio de técnicas e ferramentas de suporte aplicáveis ao gerenciamento nuclear e ambiental;
  Domínio de técnicas de intervenção para a mitigação e remediação dos impactos ambientais;
  Domínio de ações de conservação dos recursos naturais;
  Domínio da abordagem sistêmica nos processos de formulação e avaliação de projetos de desenvolvimento.